Hackeando a cidade: bibliotecas DIY no Brasil

O “Estante Pública” é um projeto de participação coletiva e ocupação urbana na cidade de Porto Alegre que consiste na instalação de bibliotecas DIY “faça você mesmo” (DIY: Do It Yourself) em paradas de ônibus, utilizando algumas estruturas abandonadas originalmente direcionadas para publicidade.

Em termos de simplicidade e criatividade, o redesign de equipamentos urbanos em desuso tem algumas semelhanças com a proposta do nova-iorquino John Locke comentada em post anterior, sobre a criação de mini bibliotecas em cabines telefônicas. Seguindo a lógica do conhecimento aberto presente na cultura DIY dos hackers urbanos, os porto-alegrenses disponibilizaram um PDF com um guia de montagem para que qualquer pessoa, em qualquer cidade possa replicar o projeto.

A primeira biblioteca foi instalada na Avenida Nilo Peçanha com 50 livros, e posteriormente novas estandes foram construídas em vários bairros, com o apoio do coletivo independente Nomade Ind e da Funarte. Algumas resistiram poucos dias, outras foram além das expectativas, e intermediaram a troca de livros, textos, revistas, jornais e outros objetos entre moradores de modo mais permanente.

Os organizadores do projeto usam o conceito de “transvenção” para denominar suas ações.  Segundo esta perspectiva o conceito se diferencia da ideia de “intervenção” por “visar (através da prática intervencionista) dar uma função que seja útil à sociedade ao local afetado, sem afirmar nenhum tipo de possessão privada ou individual“.

No Brasil, existem diversas iniciativas que promovem apropriações criativas dos espaços urbanos aliadas ao incentivo e disseminação da leitura. Entre elas, cabe citar projetos como o Parada Cultural (em pontos de ônibus), Cultura no Ônibus (biblioteca itinerante criada por um cobrador de ônibus no veiculo onde trabalha), ambos em Brasília, Biblioteca Livre Pote de Mel (Biblioteca que funciona em uma padaria em Curitiba), além de outros descritos em artigo “Bibliotecas na rua” publicado no site Bibliotecários Sem Fronteiras.

Na Colômbia funciona um projeto similar através de um programa governamental Paraderos Paralibros Paraparques (PPP) iniciado há 15 anos na cidade de Bogotá. Já foram construídas 51 mini-bibliotecas públicas na cidade, e em todo o país, mais de 100.
http://www.youtube.com/watch?v=Cw2yOr_zkCU
Todas estes projetos são caracterizadas pelo custo reduzido, facilidade de construção e forma como revitalizam o espaço urbano tornando-o mais elegante, agradável e solidário.

Referências:

Bibliotecários Sem Fronteiras
Bibliotecas na rua por Moreno Barros

Hack Your City
DIY Libraries por Andrew Hyder

Secretaría Distrital de Cultura, Recreación y Deporte de Bogotá
Parques para Leer. Paraderos Paralibros Paraparques (PPP)

World Literature Today
10 Unusual Micro Libraries

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

4 thoughts on “Hackeando a cidade: bibliotecas DIY no Brasil”

Comments are closed.