Construa seu robô humanoide em casa com impressoras 3D

InMoov é um projeto de robô humanóide disponibilizado livremente e replicável em impressoras 3D.

Criado pelo escultor e maker francês Gael Langevin, o robô é composto de servomotores, placas controladoras Arduinos, microfones, câmeras e um computador. Seu controle pode ser realizado por gestos ou reconhecimento de voz.

Trata-se de um projeto open-source. Toda a documentação e arquivos 3D podem ser compartilhados, e estão organizados de acordo com cada parte do corpo, contendo instruções de montagem.

As peças para o robô InMoov podem ser baixadas na plataforma Wevolver.com

Referências:

Design Livre
InMoov, um humanóide impresso em 3D por Fred

MAKE
Humanity: At the Core of Robotics Excitement por Stuart Gannes

Inhabitat
InMoov is an Open-Source Humanoid Robot You Can Make With a 3D Printer por Al Bredenberg

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Improvisation Machine de Annika Frye

Improvisation machine (máquina de improvisação) é um mecanismo configurável de produção experimental que visa favorecer a variação de formas ao invés da repetição da fabricação em série.

Um dos destaques da exposição Adhocracy (já comentada anteriormente neste blog), o sistema construído pela designer alemão Annika Frye permite a produção de itens únicos por meio de uma máquina de rotomoldagem movimentada através de uma simples furadeira sem fio.

Improvisation_Machine-1

As peças são criadas a partir de um molde preenchido com um material feito de gesso-polímero molhado. Suspensos numa armação feita de tiras de tecido, os moldes são rotacionados pela máquina ao se acionar a furadeira num encaixe específico. Com o movimento o material se espalha ao mesmo tempo em que seca e se fixa no molde. O material é um gesso especial que endurece dentro de pouco tempo (30 minutos) e se assemelha à cerâmica com a vantagem de ser mais leve.

Improvisation_Machine

Depois da secagem, os objetos são lixados a partir do exterior, e seu interior é coberto com verniz. Alguns são cortados com uma serra, a fim de criar um recipiente ou um vaso. Desta forma, a parte superior e a parte inferior de um vaso, recipiente ou prato pode ser produzidas dentro de um molde único. Os moldes de plástico são criados a partir de uma folha plana, que ao ser dobrada produz formas geométricas simples, adaptando uma rede baseada em octógonos tesselados, permitindo que o padrão possa ser facilmente alterado.

Com características que remetem a cultura DIY e ao open design, Improvisation machine se contrapõe a uniformização dos produtos ao incorporar a espontaneidade e a imprevisibilidade no processo de produção em série.

Referências:

Dezeen
Improvisation Machine by Annika Frye

Share Design
Annika Frye’s ‘Improvisation Machine’

Annika Frye
The improvisation machine

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Exposição Adhocracy discute a nova revolução industrial

Adhocracy” é uma das exposições que se destacam por explorar a chamada “nova revolução industrial” e a transformação radical do design e dos processos de fabricação por meio de inovações como a impressão 3D, sistemas de software abertos e redes distribuídas.

Adhocracy_1

Com curadoria de Joseph Grima, a exposição foi apresentada originalmente na Bienal de Design em Istambul (2012) e posteriormente em Nova York (03/2013). Em Londres (09 e 10/2013) foi adaptada por Thomas Ermacora para ocupar os espaços da Galeria Limewharf, compondo parte da programação do London Design Festival 2013.

Adhocracy_2

O termo “Adhocracy” (utilizado pelo futurólogo Alvin Toffler), foi escolhido pelos organizadores por significar “uma organização sem estrutura que é utilizada para resolver problemas em oposição a uma burocracia”. Com obras originais da África, Europa e Américas “Adhocracy” representa a vanguarda da ecologia de fabricação digital, questionando a própria definição de design.

Conforme Joseph Grima (em tradução livre) o mundo das pessoas que fazem as coisas está em convulsão. O exponencial crescimento de redes de comunicações globais para protótipos digitais de baixo custo transforma radicalmente a vida cotidiana, o que sugere uma nova revolução industrial. Se a última revolução era sobre fazer objetos perfeitos, milhões deles, absolutamente idênticos, esta é sobre fazer apenas um, ou alguns. Seu nascedouro não é a fábrica, mas a oficina, e sua tábua de salvação é a rede.

Em consonância com a perspectiva defendida por Grima, “Adhocracy” propõe que a expressão máxima do design seja cada vez menos um “objeto fechado”, para ao invés disso se transformar no processo em si. Este deslocamento é favorecido pela ativação de sistemas abertos, ferramentas que moldam a sociedade permitindo a auto-organização em plataformas de colaboração que subvertem a competição capitalista, e fortalecem as redes de produção.

O conteúdo da exposição é heterogêneo e com uma abrangencia ampla, abarcando desde a inovação médica à crítica cultural e política, de design de móveis até fabricação de armas. Alguns dos trabalhos e artistas que compõe “Adhocracy” serão destacados e comentados nos próximos posts.

Referências:
Londonist
Adhocracy: Hacking The Design Process In Hackney

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

A revolução D.I.Y. das impressoras 3D e fabricação digital na arquitetura, arte e design

Richard-Dupont.#5_hero
“Autoretrato” Richard Dupont (2008) | Fonte: Mad Museum

Até julho de 2014, o Museum of Arts and Design (MAD) de Nova York promove uma grande exposição que apresenta as possibilidades criativas proporcionadas pelos novos métodos de fabricação digital.

Michael-Schmidt-dress
“3-D printed dress” by Michael Schmidt (2013) | Fonte: Mad Museum

Tecnologias como impressoras 3D, tricô digital, usinagem e máquinas CNC (Controle Númerico por Computadorizado), entre outras, são utilizadas nos trabalhos expostos e discutidas em palestras e workshops.

Com foco nos universos da arte, design e arquitetura, a exposição “Out of Hand” foi organizada pelo curador do museu Ron Labaco. A proposta é explorar a criatividade do século 21 potencializada por métodos avançados de produção assistida por computador. Obras de 80 artistas de vários países contemplam criações nos campos da escultura, arte, acessórios para moda, objetos de design, e projetos de arquitetura.

“Out of Hand” revela como artistas individuais, arquitetos e designers ampliam suas oportunidades com métodos DIY “faça você mesmo” (DIY: Do It Yourself) na busca de abordagens criativas não-convencionais por meio do acesso aos recursos de fabricação digital de hoje.

julian_mayor_0
Julian Mayor (2005)| Fonte: Mad Museum

Conforme divulgado pelos seus organizadores, é a primeira grande exposição do museu a considerar o impacto destes novos métodos revolucionários de fabricação assistida por computador. O objetivo é explorar uma transição monumental na forma como os seres humanos compreendem a criação, desde os primeiros objetos concebidos e produzidos por fabricantes individuais através das ferramentas de inovação tecnológica.

FrankStella
Frank Stella (2011)| Fonte: Mad Museum

Programação de workshops
A exposição será acompanhada por uma lista ativa de programas públicos de ensino, a partir de oficinas e palestras para envolver os visitantes nos processos de criação e desenvolvimento dos artistas para revelar o potencial de longo alcance de muitas dessas novas tecnologias. Seguem abaixo algumas das atividades:

Everything You Wanted to Know About 3D Printing but Didn’t Know Who to Ask

Intro to 3D Printing, Software, Materials, and Processes

Intro to 3D Design for 3D Printing

3D Printing for Sculptors

The Once and Future Interior

3D Printing for Sculptors

3D Printing for Jewelers

3D Printing for Fashion

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Remixando brinquedos: Free Universal Construction Kit

The Free Universal Construction Kit é um conjunto de 80 peças adaptadoras que permitem a interoperabilidade entre vários tipos de brinquedos de montar produzidos por diferentes fabricantes.

Qualquer pessoa pode produzir as peças por um baixo custo usando uma impressora 3D. Os modelos digitais das peças são disponibilizados gratuitamente no site do projeto ou no Thingiverse.com, e todo o material é distribuido por uma licença de direitos autorais aberta Creative Commons.

O kit permite que a criança explore melhor o seu potencial criativo ao facilitar a interligação de uma peça a qualquer outra, integrando diferentes sistemas de brinquedos. Há uma diversificação das possibilidades construtivas ao invés do número limitado de combinações de um sistema fechado.

Além de proporcionar a criação de novos projetos com brinquedos de montar, The Free Universal Construction Kit tem a proposta de provocar uma reflexão sobre questões relacionadas à propriedade intelectual e cultura de código aberto, e demonstrar um modelo de engenharia reversa como uma atividade cívica. Nesta perspectiva, um processo criativo conduzido por qualquer pessoa pode desenvolver peças necessárias para reduzir as limitações apresentadas por artefatos comerciais produzidos em massa.

A iniciativa do projeto é do F.A.T. Lab e do Sy-Lab, ambos coletivos que reúnem designers, artistas, programadores, desenvolvedores.

Referências

SCRIPTed – A Journal of Law, Technology & Society
The Intellectual Property Implications of Low-Cost 3D Printing por Simon Bradshaw, Adrian Bowyer° and Patrick Haufe

F.A.T.
The Free Universal Construction Kit por fffffa

Object and Matter
Free Universal Construction Kit

WIRED

Ars Electronica at the ITU in Bangkok por Bruce Stering

 

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

 

 

 

 

 

 

 

 

3º Workshop Internacional FAB LAB SP, na FAUUSP

Acontece até amanhã, dia 14 de novembro o 3° Workshop Internacional FAB LAB promovido pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP) em sua sede na rua do lago, 876,  em  São Paulo.

fablab-fau

Fabricação digital aplicada ao Design e à Arquitetura Contemporâneos” é o tema do evento que apresenta uma série de palestras e workshops com convidados brasileiros e internacionais.

Os FAB LABs (abreviação de Fabrication Laboratory) consistem num conceito que surgiu no MIT,  podem ser entendidos como espaços de prototipagem rápida com equipamentos, tecnologias e softwares abertos que permitem as pessoas criarem peças e protótipos individuais, possibilitando rapidamente uma aproximação da ideia ou conceito ao objeto ou protótipo.

Segue a programação com as atividades:

13/11/2013

Edifício ANEXO (LAME) / FAU – Cidade Universitária

14h30 – 18h00
Workshop de fabricação – Parte 2
GRUPO A José Pedro Sousa – FAUP (Porto) / Paul Shepherd – University of Bath (UK)
GRUPO B Mauro Costa – ESARQ – UIC (Barcelona) / Alexandra Paio – ISCTE-IUL (Lisboa)

14/11/2013

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ABERTO / Auditório Ariosto Mila / FAU – Cidade Universitária

09h00 – 09h30
Abertura
Prof. Dr. Marcelo de Andrade Roméro – Diretor da FAUUSP /
Prof. Dr. Paulo Eduardo Fonseca de Campos – Coordenador do Grupo de Pesquisa DIGI FAB (FAUUSP)

09h30 – 10h10
FAB LAB: Rede Colaborativa de Pesquisa e Open Design
Prof. Dr. Paulo Fonseca (FAUUSP) / Arq. Eduardo Lopes (Garagem FabLab)

10h10 – 10h50
Fabricação Digital Com/Sem Fabrição Digital
Prof. Dr. José Pedro Sousa – FAUP (Porto)

10h50 – 11h10 INTERVALO

11h10 – 11h50
A Biomimética na Arquitetura e no Design
Prof. Dr. Mauro Costa – ESARQ – UIC (Barcelona)

11h50 – 12h30
Mesa Redonda
Moderador: Prof. Dr. André Leme Fleury – EPUSP / Debatedora: Profa. Dra. Cibele Haddad Taralli – FAUUSP
Prof. Dr. José Pedro Sousa – FAUP (Porto) / Prof. Dr. Mauro Costa – ESARQ – UIC (Barcelona) /
Profa. Dra. Alexandra Paio – ISCTE – IUL (Lisboa) / Dr. Paul Shepherd – University of Bath (UK)

12h30 – 14h00 INTERVALO

14h00 – 14h40
Apresentação de Trabalhos do Workshop
Juliana Harrison Henno – Doutoranda ECA-USP / Alex Garcia Smith Angelo – Mestrando FAUUSP /
Representantes dos GRUPOS participantes

14h40 – 15h20
Qual o Papel dos Laboratórios de Fabricação Digital?
Profa. Dra. Alexandra Paio – ISCTE-IUL (Lisboa)

15h20 – 15h40 INTERVALO

15h40 – 16h20
Digital Architectonics (não haverá tradução simultanea)
Dr. Paul Shepherd – University of Bath (UK)

16h20 – 17h00
Mesa Redonda
Moderador: Prof. Dr. Paulo Fonseca – FAUUSP / Debatedor: Prof. Dr. Artur Rozestraten – FAUUSP / Prof. Dr. José Pedro Sousa – FAUP (Porto) / Prof. Dr. Mauro Costa – ESARQ – UIC (Barcelona) / Profa. Dra. Alexandra Paio – ISCTE – IUL (Lisboa) / Dr. Paul Shepherd – University of Bath (UK)

Maquiagem com Leds programável

Space Face LED Galaxy Makeup é uma maquiagem com leds inspirada na constelação de Cassiopeia.

O projeto foi criado por Becky Stern e Risa Rose da Adafruit Industries, empresa de open source hardware que produz kits de eletrônica do tipo faça você mesmo.

Foram utilizados LEDs inteligentes e ultra-brilhantes FLORA NeoPixels, que funcionam conectados a uma placa microcontroladora de 1 polegada de diâmetro denominada GEMMA. A placa e duas baterias que alimentam os LEDS têm o tamanho equivalente a um grampo de cabelo. A GEMMA é programável por meio de uma entrada USB via aplicação Arduino IDE e pode executar o funcionamento dos LEDS em qualquer cor.

No site da Adafruit Industries  foi publicado um guia explicando passo a passo como realizar o projeto.

MAKE
How-To: Space Face LED Galaxy Makeup por Haley Pierson-Cox

Adafruit Industries
Space Face LED Galaxy Makeup #WearableWednesday

Colaborou:  Francisco Arlindo Alves

Eco DIY Collection

Eco DIY Collection é uma série de produtos com inspiração “DIY” (Do It Yourself / faça você mesmo) que podem ser montados pelos usuários por meio de simples instruções que constam na embalagem.eduardo_alessi-deer2
Tendo papelão reciclado como material estrutural, as peças criadas pelo designer italiano Eduardo Alessi, se caracterizam por ter como base uma única folha 2D plana.
eduardo_alessi-deer
Na montagem a folha pode ser facilmente dobrada conforme os entalhes e vincos determinados, sem cola ou corte.
eduardo_alessi-elephant2eduardo_alessi-elephant

 

Todos os projetos seguem uma tendência eco-friendly. Além do uso de papelão reciclado na estrutura, as partes elétricas foram desenvolvidas para conseguir uma maior eficiência no consumo de energia, sem o uso de baterias. A série é composta por cinco animais ameaçados de extinção: o cervo, a coruja, o elefante, a girafa e o rinoceronte.

 

Referências

1 Design Per Day
DIY Animals Collection by Eduardo Alessi

Revista de Design social
Coleção Eduardo Alessi/Eco DIY, feita de papelão reciclado por Jessica Zannori

 

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Desenvolvida Placa Arduino para ajudar na detecção de radiação no Japão

Está sendo desenvolvido o primeiro protótipo de uma placa compatível com tecnologias de open hardware da plataforma Arduino para detecção de níveis de radiação.

Desenvolvido pela Libelium, uma distribuidora espanhola da plataforma Arduino, o protótipo prevê a sensoriamento de partículas alfa, beta e radiação gama. O projeto será enviado para Tóquio, para que a comunidade de open hardware do Hackerspace, efetue os últimos testes visando sua utilização nos esforços para a detecção de níveis de radiação acima do normal no país.

Além de possibilitar que indivíduos possam executar sensores de radiação a partir de suas próprias casas de modo mais fácil, o recurso facilita a implantação de redes de sensores autônomos para recolhimento de dados sobre níveis de radiação em áreas perigosas usando tecnologias como GPRS (General Packet Radio Service) que permite o envio e recepção de informações através de uma rede de telefonia móvel.

Referências:
Wireless Sensor Networks
How the Internet of things could save the environment

Arduino.CC
Libelium Develops Sensor Networks To Help Japan Detect Radiation

Elifemagz
Libellim Develops Sensor Networks To Help Japan Detect Radiation

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Ateliê de [ciber]costura

Compondo a programação da mostra SESC de Artes 2010, o SESC promove em várias de suas unidades o Ateliê de [ciber]costura. O evento apresenta uma série de oficinas, encontros e intervenções nos campos da arte, design, moda e tecnologia digital, com vários especialistas do país e do exterior. A iniciativa oferece um espaço de criação e exposição, ao mesmo tempo em que promove a “tricotagem de idéias”, conforme divulgam seus pelos organizadores.

Além da série de atividades previstas, durante a mostra acontece uma oficina permanente em que o público terá a oportunidade de uma experiência prática no universo de criação de circuitos vestireis, com a orientação de monitores técnicos, em oficinas que abordam, por exemplo, a construção de potenciômetros com zippers, uma camiseta piano, ou circuitos que controlam a intensidade de Leds.

Programação completa do Ateliê de [ciber]costura:

CIBER[INTERVENÇÕES]

CAPTAS [2009-2010]
Fábio FON e Soraya Braz [BRA]
Uma intervenção móvel-urbana em que chamativas capas tagarelam ruidosamente quando percebem o uso de telefones celulares, andando pela cidade. Discute implicações sociais da telefonia móvel no cotidiano do espaço urbano [2009-2010 | BRA]. 30 min.
SESC Pompeia: 18/11 – 20h; 25/11 – 20h; 27/11 – 14h
SESC Carmo – Galeria do Rock: 23/11 – 12h

GER: MOOD SWEATER [2010]
Kristin Neidlinger [USA]
Um display vestivel de emoções que externaliza aspectos íntimos do indivíduo para o mundo. Sensores captam o nervosismo e suor do performer e traduzem as informações em padrões luminosos coloridos que representam diferentes sentimentos 30 min.
SESC Pompeia: 18/11 – 20h; 21/11 – 19h; 25/11 – 20h
SESC Pinheiros: 27/11 – 20h

HUMANO PERFEITO [2008]
Mika Satomi e Hannah Perner-Wilson [JPN-ING]
Como um sexto obstáculo (6th obstruction), a obra propõe diferentes regras para o curta-metragem “The Perfect Human” de Joergen Leth’s, 1967. Em forma de performance improvisional e interativa, a narrativa do filme é explorada por meio dos movimentos executados pela performer, captados por sensores distribuídos pela roupa que cobre seu ‘corpo perfeito’. 30 min.
SESC Pompeia: 25/11 – 20h; 26/11 – 19h; 28/11 – 19h

PARANGONET 1.0 – dimensão sonora [2009]
Ricardo Nascimento e Jader Scalzaretto [BRA]
Inspirados no movimento artístico brasileiro Tropicalismo, duas esculturas vestíveis criam e difundem samplers sonoros por meio do seu movimento no espaço. 10 min.
SESC Pinheiros: 20/11 – 20h
SESC Pompeia: 25/11 – 20h
SESC Interlagos: 27/11 – 14h

VESTIS [2004]
Luisa Paraguai [BRA]
Uma estrutura de arcos vestível que se expandem e contraem a partir das interações estabelecidas, na busca de formalizar esteticamente as diferentes espacialidades corpóreas. 30 min.
SESC Pompeia: 18/11- 20h; 19/11 – 14h; 25/11 – 20h
SESC Pinheiros: 20/11 – 20h

TROCANDO OS [CIBER]PONTOS

Bate-papo sobre o processo criativo dos artistas. Os artistas do Ateliê de [ciber]costura apresentação suas obras, processos e criação, seguido de um bate-papo mediado por especialistas em design, arquitetura, moda e tecnologia.

Local: SESC Pompeia – Ateliê de [ciber]costura.
Inscrições gratuitas no local com 30 min. de antecedência. 14 anos.

ENCONTRO 1
19/11. Sexta, 19h às 21h.
Com: Ricardo O’Nascimento e Jader Scalzaretto (Parangonet 1.0 – Dimensão Sônica), Luisa Paraguai (Vestis – Corpos Afetivos), Kristin Neidlinger (GER: Mood Sweater).
Mediação: Cristiane Mesquita.

ENCONTRO 2
24/11. Quarta, 19h às 21h.
Com: Hannah Perner-Wilson e Mika Satomi (Humano Perfeito), Fábio FON, Soraya Braz (Captas).
Mediação: Marcelo Tramontano.

[CIBER]TRICOTAGEM

Oficinas para experimentação do processo de criação de roupas interativas.

Inscrições gratuitas nas unidades onde serão realizadas as oficinas a partir do dia 19/11.
Não é necessário conhecimento específico. 15 vagas.14 anos.

!Condutivo!
Com Kristin Neidlinger
Os participantes aprenderão técnicas básicas para costurar um circuito eletrônico. Cada participante é incentivado a trazer uma peça de tecido, tais como roupas e sacolas coloridas. Estas serão reapropriadas por meio da inserção de sensores que respondem ao movimento com luzes. 15 vagas.
20 e 21/11. Sábado e domingo, 14h30 às 18h.
Local: SESC Pompeia – Ateliê de [ciber]costura.

Circuitos flexíveis
Com Ricardo Nascimento
Nessa oficina os participantes serão introduzidos a chamada “wearable technology” (tecnologia vestível em tradução livre). Cada participante é incentivado a trazer uma peça de roupa na qual irão desenvolver um projeto de objeto vestível inserindo as técnicas aprendidas.
23 e 24/11. Terça e quarta,19h às 21h30.
Local: SESC Pinheiros – Internet Livre.

Orquestra de brinquedos sonoros vestíveis
Com Hannah Perner-Wilson e Mika Satomi
Esta oficina explora como transformar brinquedos em instrumentos musicais. Os brinquedos serão desmontados e seus circuitos transformados em instrumentos vestiveis por meio da construção de circuitos flexíveis. Cada participante é incentivado a trazer um objeto sonoro que funcione com pilhas para ser desmontado (um brinquedo ou um cartão musical) e uma peça de roupa na qual irão remontar o objeto.
27 e 28/11. Sábado e domingo, 14h30 às 18h.
Local: SESC Pompeia – Ateliê de [ciber]costura.

OFICINA PERMANENTE

– 23/11, terça, 18h – 19h. Radamés Ajna falará sobre a criação da interatividade no espaço do Ateliê de [ciber]costura.
– 24/11, quarta, 14h – 19h. A monitora técnica construirá potenciômetros com zippers.
– 25/11, quinta, 14h – 19h. A monitora técnica fará uma camiseta piano a partir da desmontagem de um pequeno teclado de brinquedo.
– 26/11, sexta, 16h30 às 19h. A monitora técnica ensinará como montar circuitos que controlam a intensidade do LED com um sensor.
19 a 28/11, terça a domingo, 14h as 21h. Livre.
Local: SESC Pompeia – Ateliê de [ciber]costura.

Colaborou: Francisco Arlindo Alves