Oficinas gratuitas no Sesc Belenzinho em fevereiro e março

sescbelenzinho

Ainda é possível se inscrever para as oficinas, cursos livres e bate-papos gratuitos que acontecem nos meses de fevereiro e março no Sesc Belenzinho.As atividades envolvem diversas linguagens visando aprimorar a formação, a experimentação e a pesquisa.

sescbelenzinho

O espaço de cultura digital na unidade é estruturado por meio de  laboratórios que abrangem temas como criação de games e músicas, fotografia, edição de vídeo, edição de imagens, discussões sobre a cultura DIY (Do It Yourself/Faça Você Mesmo), direitos autorais abertos ou as possibilidades do uso software livre para formatação de trabalhos acadêmicos.

Seguem abaixo as datas e atividades:

 

DESIGN.LAB

Fevereiro

11/02 a 27/02.
Terça e quinta, das 10h às 12h.
Edição de Imagem: Tratamento e Criação com orientação de Vanessa Pereira

12/02 e 13/02.
Quarta e quinta, das 15h30 às 18h.
Formatação de trabalhos acadêmicos com orientação de Francisco Arlindo Alves

15/02 a 16/02
Sabados e Domingos, 11h.
Auto Retrato 3D com orientação de André Fernandes

19/02 a 27/02
Terça a quinta, das 19h às 21h30.
Pixel Art com orientação de Rafael Nascimento

Março

12/03 a 21/03.
Quartas e sextas, das 13h às 15h.
Crie Sua Estampa com orientação de Joel Melo

26/3 a 04/04.
Quartas e sextas, das 13h às 15h.
Ensaio Visual | Cor com orientação de Joel Melo

 

SOCIAL MEDIA.LAB

Fevereiro

18/02.
Terça, das 15h30 às 18h.
Direitos autorais Abertos: Creative Commons, Copyleft e Domínio público com orientação de Francisco Arlindo Alves

25/02.
Terça, das 15h30 às 17h30.
Pensamento e Tecnologia: a cultura do “Faça você mesmo” com orientação de Francisco Arlindo Alves

Março

11/03 a 27/3.
Terças e quintas, das 10h às 12h.
Redes Sociais com orientação Vanessa Pereira

12/03 a 26/3.
Quartas, das 10h às 12h.
Cursos Online – Crowdlearning com orientação de Vanessa Pereira

 

VÍDEO.LAB

Fevereiro

De 18/02 a 27/2.
Terças a quintas, das 13h às 15h.
Iniciação ao Vídeo Digital  com orientação de Joel Melo

Março

11/03 a 27/3.
Terças e quintas, das 15h30 às 17h30.
Foto-Narrativas: Experimentações em vídeo com imagens estáticas com orientação de Francisco Arlindo Alves

 

GAME.LAB

Fevereiro

19/02 a 28/2.
Quartas a sextas, das  15h30 às 17h30.
Chip Music com Orientação de Eduardo Melo

Março

3/03 e 4/03.
Segunda e terça, das 12h às 14h.
Faça seu Game! com orientação de Vanessa Pereira

Informações sobre vagas e inscrições no site do SESCPSP.

Endereço:
SESC Belenzinho
rua Padre Adelino, 1.000 – São Paulo – SP
Fone:11 2076-9778

Chris Jordan: crítica à sociedade de consumo

Chris Jordan é um artista e fotógrafo com trabalhos exibidos em várias exposições ao redor do mundo, abordando o fenômeno do consumismo desenfreado.

Running the Numbers: An American Self-Portrait“, sua série mais recente, iniciada em 2006, examina os efeitos cumulativos da cultura americana contemporânea buscando um novo olhar sobre como as estatísticas sobre o tema são percebidas.

Cada imagem retrata uma quantidade específica de algo em grande escala, por exemplo, “The Moon“, de 2011, (Imagem acima) é formada por 29.000 cartões de crédito, que seria equivalente ao número médio de pedidos de falência pessoal a cada semana nos EUA em 2010. Em “Barbie Dolls“, de 2008, 32.000 bonecas Barbie compõem a imagem, número que equivale a quantidade de cirurgias de aumento de mama realizadas mensalmente nos EUA em 2006. Em “Seurat” (imagem acima), de 2007, 106.000 latas de alumínio, equivalem a trinta segundos de consumo de latas no país.

Conforme explica em seu site, a intenção de Jordan é que as imagens que representam as quantidades possam ter um efeito diferente do que os números brutos por si só.  Em sua visão, as estatísticas são percebidas de um modo abstrato, o que torna difícil o entendimento de seus significados.

Sua série anterior “Intolerable Beauty: Portraits of American Mass Consumption“, produzida de 2003 a 2005, provoca uma reflexão sobre a enorme quantidade de detritos acumulados pela sociedade de consumo de massa.

Os conjuntos quase infinitos de aparelhos celulares, carregadores para celulares, placas de computador, entre outros dispositivos, demonstram a imensa escala de consumo, que é retratada na visão de Jordan, como algo desolador, macabro, estranhamente cômico e irônico, e até mesmo sombriamente bonito.

Atualmente o artista produz o documentário “Midway“, inspirado em sua experiência como fotógrafo em uma ilha no oceano pacífico na qual encontrou vários bebês albatrozes mortos com os corpos cheios de pedaços de plástico.

Chris Jordan nasceu em São Francisco em 1963, e atualmente vive em Seattle.

Referências:

Wired
Plastic-Filled Albatrosses Are Pollution Canaries in New Doc por Jakob SchillerEmail

Revista Select
Quanto pesa uma vida sem fio? A dimensão política dos celulares não se esgota no seu uso por Giselle Beiguelman

Core77
Running the Numbers: An American Self-Portrait by Chris Jordan por Jeannie Choe

Orion Magazine
Photographs by Chris Jordan (interview) por Jörg Colberg

 

A partir de dica de Andrea Fonseca (Sesc Belenzinho)

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Kombi.lab visita a zona leste de São Paulo

Durante o mês de setembro, um laboratório móvel chamado Kombi.lab vai visitar bairros na zona leste de São Paulo, promovendo atividades culturais que abordam dança, fotografia, vídeo, cultura digital e realidade aumentada.

Organizado pelo SESC Belenzinho, o projeto Kombi.lab promoverá ações em pontos de difusão cultural nas regiões de Cidade Tiradentes e Guaianazes e na própria unidade do SESC no Belenzinho.

Segue a programação:

Mire Veja: você dança pra mim?
Numa estrutura similar a uma câmera lambe-lambe (câmera escura), a intervenção de Tatiana Devos Gentile convida uma pessoa por vez a assistir um vídeo de uma outra que dança só pra ela. As danças, gravadas em várias cidades do Brasil, serão exibidas nos pontos de parada do projeto.
Datas, locais e horários:
07 e 08/09 – Céu Lajeado das 14h às 16h30
22/09 – Biblioteca Cora Coralina das 14h às 16h30
29 e 30/09 – SESC Belenzinho das 14h às 16h30

Realidade Aumentada
Na atividade o visitante poderá interagir com objetos e personagens virtuais em uma televisão através da captação de uma webcam. Orientação Francisco Arlindo Alves e Vanessa Pereira.
Datas, locais e horários:
07 e 08/09 – Céu Lajeado das 14h às 15h (dentro da Kombi)
22/09- Biblioteca Cora Coralina das 11h às 12h

Vídeos 3D livres
Com a utilização de óculos especiais o participante visualizará o efeito 3D em vídeos estereoscópicos licenciados sob o Creative Commons. Orientação: Francisco Arlindo Alves, Vanessa Pereira, Joel Melo e Juliana Ramos.
Datas, locais e horários:
07 e 08/09 – Céu Lajeado das 14h às 15h
22/09 – Biblioteca Cora Coralina às 11h, 11h20, 11h40 e 12h (dentro da Kombi)
15/09 – Ponto de Cultura WEBTV Cidade Tiradentes das 15h às 16h

http://www.youtube.com/watch?v=9csSyqGZmeA

Livros Digitais
Introdução ao universo dos livros digitais (os chamados e-books). O participante irá conhecer onde encontrar obras disponíveis na internet. Serão disponibilizados para download gratuito livros digitais no campo da literatura. Orientação: Francisco Arlindo Alves e Vanessa Pereira.
Datas, locais e horários:
07 e 08/09 – Céu Lajeado das 15h às 16h
22/09 – Biblioteca Cora Coralina das 12h às 13h

Dentro da Kombi: Foto Scanner Arte
Instalação na qual através do escaneamento facial dos participantes e seu objetos pessoais, será desenvolvido uma galeria de imagens. Orientação: Joel Melo e Juliana Ramos.
Datas, locais e horários:
15/09 – Ponto de Cultura WEBTV Cidade Tiradentes das 15h às 16h
29/09 – SESC Belenzinho das 14h às 15h

Instagram Social Leste
Com aplicativos disponíveis no GIMP, os participantes terão a oportunidade de intervir na moldura, estética e composição das imagens captadas por câmeras digitais ou celulares. Orientação: Joel Melo e Juliana Ramos.
Datas, locais e horários:
15/09 – Ponto de Cultura WEBTV Cidade Tiradentes das 14h às 15h
30/09 – SESC Belenzinho das 14h às 15h

Endereços:
CEU Lajeado:Rua Manuel Da Mota Coutinho, 293- Guaianazes
Ponto de Cultura WEBTV Cidade Tiradentes: Rua dos Têxteis, 2910 – Cidade Tiradentes
Biblioteca Cora Coralina: Rua Otelo Augusto Ribeiro, 113 – Guaianazes
SESC Belenzinho: Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho

Mais informações no site do sescsp ou no Facebook

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Möbius, escultura stop motion

Möbius é uma escultura composta por vinte e um grandes sólidos triangulares verdes que podem ser alterados pelo público para formar uma série de padrões cíclicos de movimento ao serem animados por meio de um registro usando a técnica time-lapse.

O vídeo apresenta a animação realizada em duas semanas na cidade de Melbourne na Austrália.

O trabalho foi produzido pelo ENESS, grupo australiano com foco na criação de instalações de arte em ambientes públicos que perpassam variadas disciplinas indo da arte à tecnologia, arquitetura interativa e esporte.

Via Design You Trust

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Immaterials: light painting WiFi

Immaterials: light painting WiFi” explora o terreno invisível de redes sem fio em espaços urbanos com a utilização da técnica de light painting, que consiste em “pintar com a luz” durante o registro de fotografias de longa exposição.

Desenvolvido pelos designers Timo Arnall, Jørn Knutsen e Einar Sneve Martinussen, o projeto consiste na produção de imagens fazendo uso de uma haste de quatro metros de comprimento, com 80 pontos de luz. Conforme é deslocada, a haste permite a visualização transversal das mudanças na intensidade de sinal de redes WiFi. O registro efetuado no vídeo acima foi realizado na região de Grünerløkka, bairro na cidade de Oslo na Noruega.

Na medida em que o tempo de exposição é prolongado, representações topográficas de redes sem fio vão se formam, tornando possível perceber como as redes Wi-Fi no bairro são onipresentes, mas também fragmentadas e diferentes qualitativamente.

Referências:

Touch
Immaterials: Light painting WiFi

Yourban
Immaterials: light painting WiFi

FlowingData

Painting with light to show WiFi networks por Nathan Yau

Wired: Beyond the Beyond
Showtime: Timo Arnall, “Immaterials: Light painting WiFi” por Bruce Sterling

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Mapa termográfico urbano

O site “Zoom into Your Roof” disponibiliza aos moradores da cidade de Antuérpia, um mapa em que pode ser verificado o calor irradiado pelos telhados das habitações onde vivem.

Durante quatro noites do último inverno, um avião sobrevoou 21 cidades da região de Antuérpia, e tirou fotos infravermelhas. As fotos foram “sobrepostas” aos mapas disponibilizados pelo Google Maps na internet.
O projeto tem um duplo propósito: econômico e ambiental. Os telhados que emitem mais calor revelam uma deficiência no seu isolamento térmico, o que está diretamente ligado a um maior consumo de energia durante o inverno. A conseqüencia é a elevação dos gastos com petróleo e gás, e o aumento emissões de poluentes.
Por meio no mapa, habitantes podem se organizar, trocar experiências e tomar providências baseadas na visualização das construções em que o isolamento do telhado funciona de modo eficiente e onde pode ser melhorado.

Referências:

Zoom into your Roof: Checking the Thermal Performance of Homes
http://infosthetics.com/archives/

Zoom into Your Roof
http://zoominopuwdak.antwerpen.be/

Colaborou:
Francisco Arlindo Alves

Favelas Georreferenciadas

Serviços de pesquisa e visualização de ruas e mapas na internet geralmente não abrangem favelas. O projeto Wikimapa coordenou a elaboração de mapas de ruas e vielas de comunidades de baixa renda no Rio de Janeiro. Os mapas são construídos num sistema colaborativo bottom-up, agregando valor pela participação dos próprios moradores (wiki-repórteres).

Morro Santa Marta Georreferenciado pelo projeto wikimapa
Morro Santa Marta Georeferenciado pelo projeto wikimapa

O projeto piloto envolveu as comunidades do Complexo da Maré, Complexo do Alemão, Santa Marta, Pavão Pavãozinho e Cidade de Deus. Usando o celulares ou internet os habitantes podem se informar ou enviar informações sobre trajetos ou locais de interesse como escolas, pontos de comércio, hospitais, igrejas, clubes, bares, lan houses entre outros.

As novas formas de apropriação do produzidas, refletem uma relação renovada entre indivíduos e seu entorno intensificando a discussão de questões como a sustentabilidade, tratamento do lixo, a iluminação pública, a precariedade de serviços como correio, fornecimento de água, atendimento médico, a segurança pública em razão das intervenções da polícia pacificadora, a violência e a marginalidade. São discussões que alcançam o campo político e social.

Ao mesmo tempo práticas como esta colaboram na desmistificação destes locais para o observador que vive fora desta comunidades, revelando a perspectiva dos próprios moradores que difere substancialmente da veiculada pelos meios de comunicação em geral. As informações mostram outros aspectos da vida cotidiana deste lugares, fugindo do enfoque centrado apenas no tráfico de drogas ou violência.

Site do projeto:

http://wikimapa.org.br

Colaborou:  Francisco Arlindo Alves

MIS é reinaugurado com foco em novas tecnologias

LABMIS

Sob a direção de Daniela Bousso, o MIS retoma suas atividades e adquire um perfil conectado em novas tendências de arte-tecnologia. Além do museu finalmente se integrar ao vizinho MUBE, a área expositiva do MIS está ampliada e o primeiro pavimento se apresenta como espaço versátil para exposições e projeções. O segundo pavimento dispõe de um laboratório multimídia, o LabMIS, que conta com equipamentos de áudio e vídeo, computadores e suporte de programadores e técnicos. O objetivo é promover workshops e receber artistas selecionados e convidados em  estrutura contemporânea para pesquisa e produção.

Na exposição inaugural, a mostra Lights Out propõe abordar o processo criativo da fotografia subtraindo intencionalmente o elemento foto: a luz. Com curadoria de Daniela Castro, a proposta é que “uma economia geral da luz” nos afaste da tentação de conceber a fotografia como uma reprodução do “real”. A idéia é ativar os outros sentidos além da visão- tato, olfato, paladar, audição.

No trabalhos Soft Porn (2003), Cyber Girls (2003) e 360 Degree Spin (2004) da americana Whitney Lee, imagens retiradas de sites de revistas pornô são decompostas como fios de pixels: um tecido-tapete a ser tateado e descoberto. Em City Cooke (1999-2008), os chineses Leung Chi-Wo e Sara Chi-Hang Wong fotografaram “pedaços de ceú” que restam em meio a aglomerados de prédios. Reproduzidos como biscoitos, um céu para o paladar. Em Reprodutor, da brasileira Rochelli Costi, o visitante reproduz fotos a partir do reflexo em uma placa de vidro. A Arquitetura da Associação, dos norte-americanos Bill Seaman e Daniel Howe, imagens, sons e textos são organizados através de padrões gerados por algoritmos computacionais que recombinam e modificam as relações entre conteúdos. No pavimento térreo estão expostos os vídeos Tókio 2008, Pólo Sul 2008 e Grand Canyon 2008 de Rodrigo Matheus criados a partir de imagens retiradas do Google Earth. Neste mesmo pavimento  Espelho, uma superfície espelhada criada por Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti, reage conforme o comportamento dos visitantes.

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo esta localizado na Avenida Europa, 158, Jardim Europa e funciona de terça a sexta terça a sexta, das 12h às19h e sábados, domingos e feriados das 11h às 18h.

Colaborou: ₢ Francisco Alves

Foto: dkh₢2008