Oficina VJ Intensivo

Nos dias 18 e 19 de dezembro, das 14h às 17h, acontece no Sesc Belenzinho uma oficina prática em que serão abordadas as técnicas de vjaying, mapping e projeção volumétrica. Também serão discutidos aspectos sobre as origens e história do Vjaying.

As atividades serão ministradas pelo especialista em projeções VJ Spetto, um dos pioneiros no campo no contexto nacional, que já participou de inúmeros grandes eventos realizados no Brasil e no exterior.

As Inscrições são gratuitas e podem ser efetuadas na sala de Internet Livre do Sesc Belenzinho. Vagas limitadas.

Endereço:
Sesc Belenzinho
Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho – (duas quadras do metrô Belém)
São Paulo-SP

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Offener Schaltkreis (open circuit)

Offener Schaltkreis (open circuit) é um silencioso labirinto composto por trilhas de cobre que se transforma numa complexa máquina de ruídos na medida em que os visitantes conectam cilindros com altofalantes em seu percurso.

As trilhas de cobre se espalham pelo chão e pelas paredes do ambiente transportando sinais elétricos emitidos por uma interface multicanal de áudio de um computador com sistema operacional Linux, que executa o repositório dos sons ouvidos nos cilindros.

O trabalho desenvolvido por Franziska Windisch, Christoph Haag, Martin Rumori e Ludwig Zeller cria uma dinâmica sonora influenciada pelo modo como os cilindros são usados. Ao deslocá-los pelo percurso do labirinto, são alteradas a velocidade e o tom dos ruídos. Quando um único cilindro é conectado, os sons de todos os outros altofalantes tendem a se intensificar simultaneamente, o que produz uma relação dinâmica entre o silêncio e o ruído, com a participação dos visitantes.

O trabalho está sendo exibido na mostra Funware que ocorre em conjunto com o STRP festival em Eindhoven na Holanda. Foi publicado um paper com maiores informações sobre o projeto que pode ser acessado aqui.

Referências:

We make money not art
Funware playing with software art por Regine

Digicult
Funware Exhibition. Playing with softwares

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

CD de música com Realidade Aumentada

O grupo Latrama lança o álbum “Love & Projects“, primeiro CD de música que ativa uma experiência online de realidade aumentada.

Com a utilização da capa do CD, uma Webcam, e o acesso a uma ferramenta on-line é possível ter controle de uma plataforma giratória virtual que permite ao utilizador atuar como um DJ podendo tocar as músicas e fazer scratches, mudar o andamento, regular o volume e utilizar outros filtros.
Peter Kirn no Create Digital Music, comentou que a inovação trabalha a tensão entre o velho (CD) e o novo (Web, realidade aumentada e webcam), ao mesmo tempo em que levanta o questionamento sobre a própria necessidade do CD, tendo em conta as possibilidades abertas pela experiência online.

http://createdigitalmusic.com
Augmented Reality CDs into DJ Tools; DJing with SoundCloud, Clock Faces, More por Peter Kirn

Via Miguel Afonso Caetano

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Workshop de Circuit Bending no MIS

Nos dias 02 e 03 de dezembro ocorre no MIS, em São Paulo, oficina de Circuit Bending, técnica de criação de curtos-circuitos em dispositivos eletrônicos de baixa voltagem, como por exemplo, brinquedos ou pequenos sintetizadores digitais alimentados por baterias.

Os dispositivos são descontextualizados ou modificados de forma a criar novos sons diferentes dos imaginados pelos projetistas originais.

A oficina será ministrada pelo coletivo peruano TRIAC, que desenvolve experimentações sonoras e a exploração visual com tecnologias analógico-digitais em tempo real. No dia 4 de dezembro, o TRIAC também irá apresentar um show de música eletrônica experimental (veja o vídeo acima) como parte da comemoração dos 40 anos do Museu da Imagem e do Som.

Mais informações no site do MIS

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

0h!M1gas: formigas como DJs

0h!M1gas é um ambiente biomimético baseado na análise da atividade de uma colônia de formigas registrada em áudio e vídeo em uma instalação sonora reativa. O mapeamento do comportamento das formigas tem como foco o movimento, e principalmente a comunicação por meio de ruídos produzidos pelo atrito entre partes do corpo, a estridulação.

Imagem original de http://kuaishen.tv/0hm1gas/

Kuaishen Auson, artista equatoriano que idealizou 0h!M1gas (pronuncia hormigas) procura estabelecer analogias e diferenças entre o “scratching” como uma expressão estética da cultura humana presente no universo dos Djs e os fenômenos de estridulação das formigas como método de comunicação.

Ao pensar as formigas como Djs, a proposta sugere a percepção da colônia de formigas como um superorganismo natural que pode ser sentida e entendida por meio de suas ondas sonoras, pedaços de freqüências e ritmos musicais, mapeados em seus movimentos e estridulações.

O objetivo final seria um sistema de feedback cibernético, fundamentado na especulação sobre a possibilidade de tentar se comunicar com as formigas, considerando a análise de dados recolhidos em tempo real, numa conexão de realimentação entre as formigas e os toca-discos.

Na semana passada, 0h!M1gas foi premiado com menção honrosa no Share Festival em Piemonte na Itália. Na cerimônia de premiação Bruce Sterling, um dos membros do júri, teceu algumas considerações:

“Our special commendation goes to Kuai Auson for the installation Oh!M1gas (pronounced hormigas). In this unique, ingenious work from Cologne, ants – social networkers par excellence – become techno musicians. An intelligent industrial design acts as back-up to the musical ants, which after touring several countries are now performing here in Italy too – good luck with your career Kuai.”(via Rhizome)

É possível ver alguns vídeos de 0h!M1gas no site do projeto.
http://kuaishen.tv/0hm1gas/
http://www.toshare.it/?lang=en

http://kuaishen.tv/

http://rhizome.org/announce/view/56421

Referências:
< nettime >
Share Festival 2010 – Smart Mistakes – Winner Share Prize 2010 por Share Festival

Rhizome
Share Festival 2010 – Winner Share Prize por Luca Barbeni

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Escultura de dados musicais

Reflection II é uma escultura construída a partir de dados musicais. Elaborada por Benjamin Maus e Andreas Nicholas Fischer, o trabalho é derivado de uma peça musical do mesmo nome de autoria de Frans de Waard.

A obra musical foi compartimentada em clipes, por meio dos quais foram obtidos diferentes valores de intensidade a partir de uma análise do espectro sonoro dentro de um sistema de coordenadas de freqüência e tempo. A partir destas informações foi possível estabelecer uma estrutura espectral da música, que pode ser representada fisicamente com a utilização de uma fresadora CNC.

O trabalho é exibido numa sala escura, e na medida em que a música é executada, a escultura é gradualmente revelada pela iluminação de um scanner.

Colaborou: Francisco Arlindo Alves