Construa seu robô humanoide em casa com impressoras 3D

InMoov é um projeto de robô humanóide disponibilizado livremente e replicável em impressoras 3D.

Criado pelo escultor e maker francês Gael Langevin, o robô é composto de servomotores, placas controladoras Arduinos, microfones, câmeras e um computador. Seu controle pode ser realizado por gestos ou reconhecimento de voz.

Trata-se de um projeto open-source. Toda a documentação e arquivos 3D podem ser compartilhados, e estão organizados de acordo com cada parte do corpo, contendo instruções de montagem.

As peças para o robô InMoov podem ser baixadas na plataforma Wevolver.com

Referências:

Design Livre
InMoov, um humanóide impresso em 3D por Fred

MAKE
Humanity: At the Core of Robotics Excitement por Stuart Gannes

Inhabitat
InMoov is an Open-Source Humanoid Robot You Can Make With a 3D Printer por Al Bredenberg

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Projeto Co_operar apresenta oficinas, laboratório e performances audiovisuais

Em agosto e setembro de 2014, o Projeto Co_operar no Sesc Belenzinho apresenta uma série de oficinas, performances audiovisuais e um laboratório para pesquisas artísticas.

Seguem abaixo a programação divulgada pelos organizadores:

co_operar

 

Agenda:

https://www.facebook.com/cooperaragenda

Programação | Oficinas:

Introdução ao home estúdio | Muep Etmo
Demonstração de diversas maneiras de criar um estúdio caseiro de forma fácil, acessível e individualizada. Para iniciantes ou músicos profissionais que queiram discutir, rever ou ampliar suas possibilidades de produção.
Duração: 4 encontros.
Internet Livre – 15 vagas.
De 05/08 a 08/08. Terça à sexta, das 19h00 às 21h00.

Live multimídia | Giuliano Obici
A oficina apresentará princípios de manipulação de áudio e vídeo e de síntese de som e imagem em tempo real, bem como formas de interação em rede.
Duração: 3 encontros.
Internet Livre – 15 vagas.
12/08 e 14/08. Terça e quinta, das 13h00 às 15h30. 19/08. Terça, das 13h00 às 18h30.

Captura e edição de vídeo em tempo real | Fernando Velázquez
A oficina apresenta técnicas de captura e edição de vídeo em tempo real. Usando câmeras de segurança, serão discutidas formas para a criação de loops de vídeo utilizados numa composição audiovisual coletiva.
Duração: 4 encontros.
Internet Livre – 15 vagas.
De 12/08 a 15/08. Terça a sexta, das 15h30 às 18h30.

Iluminação cênica em novas finalidades narrativas | Mirella Brandi
A oficina aborda as técnicas de luz cênica para pesquisa de processos narrativos subjetivos sem o uso da palavra.
Duração: 4 encontros.
Internet Livre – 15 vagas.
13, 15, 27 e 29/08. Quartas e sextas, das 19h00 às 21h00.

Introdução ao Pure Data
Giuliano Obici. Conheça o PD (pure data), uma linguagem de programação que pode ser utilizada na criação de projetos artísticos utilizando áudio, vídeo e outras linguagens.
16 vagas. Não recomendado para menores de 14 anos.
7/8, das 13 às 15h, e 8/8, das 13 às 18h.

Programação | Performances

Mecânima | DUO b e Fernando Velázquez
Mecânima é uma performance que aborda o universo da música eletrônica de pista a partir da manipulação sonora e visual de objetos de uso cotidiano manipulados ao vivo. Os artistas criam, por meio de recursos digitais e analógicos, uma composição evolutiva em camadas.
Sala de Espetáculos 2. 80 lugares.
Duração: 30 minutos.
19/08/2014. Terça, às 20h30.

Laptop coral | Giuliano Obici
Laptop coralé uma performance audiovisual que utiliza o computador pessoal como simulacro, capaz de executar ao mesmo tempo funções de performer e de instrumento-multimídia. O efeito é um tipo de “performatização midiática”, um simulacro coral.
Sala de Espetáculos 2. 80 lugares.
Duração: 30 minutos.
20/08/2014. Quarta, às 20h30.

Cinza | Mirella Brandi e Muep Etmo
Cinza é uma performance que explora caminhos audiovisuais de imersão narrativa, apropriando-se das instalações imersivas nas artes visuais, da arte sonora, das técnicas de artes cênicas e do cinema expandido para recriar e transportar o espectador por outros caminhos perceptivos.
Sala de Espetáculos 2. 80 lugares. Duração: 30 minutos.
21/08/2014. Quinta, às 20h30.

Performances sonoras

DUO b
O workshop explora técnicas para captação e edição digital de áudio a partir de equipamentos cotidianos para a criação de peças sonoras performáticas.
Duração: 3 encontros.
Internet Livre – 15 vagas.
20 e 22/08, quarta e sexta, das 15h30 às 18h30. E excepcionalmente dia 21/8, quinta, das 13h, às 18h30.

co_opera_livre

Setembro

Introdução ao Arduíno | Luciana Ohira e Sérgio Bonilha
Saiba como utilizar o Arduíno, uma plataforma de prototipagem e de programação open source que pode ser empregada em projetos interativos. 16 vagas.
Não recomendado para menores de 16 anos.
03 a 12/9. Quartas e sextas, das 19h00 às 21h00.

Edição de vídeo: TV remix retro | Francisco Arlindo Alves
A oficina propõe a criação de remixes de arquivos em vídeo da TV brasileira dos anos 60 e 70 com músicas e sons encontrados em plataformas online para livre utilização. Serão utilizados recursos básicos de edição por meio do software livre Kdenlive, com o objetivo de explorar novas interpretações através da recontextualização e recombinação.
16 vagas. Não recomendado para menores de 16 anos.
09 a 18/9. Terças e quintas, das 15h30 às 17h30.

Linguagem sonora | Ines Nin
Oficina introdutória que abordará os elementos da linguagem sonora – ruído, voz, silêncio e música e sua utilização na construção de paisagens sonoras, que aliam som e imagem. 16 vagas. Não recomendado para menores de 16 anos.
09 a 18/9. Terças e quintas, das 19h00 às 21h00.

Introdução ao vídeo digital | Joel Melo
A oficina abordará técnicas, conceitos e ferramentas para criação e edição de vídeo e, também, noções básicas de sonorização para construção de um projeto audiovisual.
16 vagas. Não recomendado para menores de 16 anos.
10/09 a 26/9. Quartas e sextas, das 13h00 às 15h00.

Arduíno e sensores | Luciana Ohira e Sérgio Bonilha
Saiba como utilizar os recursos de prototipagem do Arduíno combinados a sensores que coletam dados externos, como temperatura, luminosidade e outros, para disparar comandos de programação. 16 vagas. Não recomendado para menores de 16 anos.
De 10/09 a 16/9. Quartas e sextas, das 16h00 às 18h00.

Técnicas de animação | Vanessa Pereira
Apresentação de técnicas de animação como o stop motion, pixelation, morphing, estereoscopia, entre outras. Durante os encontros o participante poderá vivenciar a criação de animações em 2D e 3D por meio da utilização de diferentes softwares livres. 16 vagas. Não recomendado para menores de 14 anos.
10/9 a 3/10, quartas e sextas, das 10h00 às 12h00. *no dia 01/10 (quarta) não haverá atividade

Arduíno, Sensores e Pure Data | Jean Habib
Entenda as possibilidades de uso combinado da placa Arduíno, de sensores diversos e da plataforma de programação Pure Data para a criação de projetos artísticos. 16 vagas.
Não recomendado para menores de 16 anos.
17/09 a 26/9. Quartas e sextas, das 19h00 às 21h00.

Local:

Sesc Belenzinho

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700
http://www.sescsp.org.br

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Robos imprimíveis e automontáveis inspirados em origami

Pesquisadores do MIT trabalham no desenvolvimento de robôs a partir de peças planas produzidas por impressoras 3-D que se dobram quando aquecidas. A tecnologia permite a montagem automatizada em configurações tridimensionais pré-determinadas.

A técnica se baseia na sobreposição de uma folha de PVC entre duas películas de um poliéster rígido crivadas com fendas de larguras diferentes. O calor faz com que a camada do meio se contraia, forçando a folha a se dobrar em ângulos diferentes, conforme a largura do sulco.

O desafio dos pesquisadores é aperfeiçoar o controle sobre a configuração final. A complexidade deste processo está relacionada ao fato de que as dobras  do material ocorrem de modo  simultâneo, influenciando seus ângulos mutuamente. Neste sentido, as folhas são projetadas com vincos impressos ou criados por corte a laser, com base em cálculos matemáticos efetuados por um programa de computador com o objetivo de gerar com exatidão as formas que os pesquisadores querem produzir.

A pesquisa é liderada por Daniela Rus, que se baseou em trabalhos anteriores realizados por Erik Demaine, professor de ciência da computação e engenharia no MIT. Demaine pesquisou adaptação de técnicas de origami para criação de robôs reconfiguráveis. Como parte do projeto, estão sendo desenvolvidos componentes elétricos auto dobráveis, tais como sensores, atuadores e resistores para ajudar a trazer essas máquinas para a vida.

A ideia é fornecer ferramentas de design para que indivíduos que não são especialistas consigam construir suas próprias máquinas de modo mais fácil e barato.

Referências

The Kurzweil Accelerating Intelligence
Self-assembling printable robotic components

MIT News
Bake your own robot

Newscientist
High-tech origami folds itself when heat is on por Aviva Rutkin

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

O universo das mídias sociais em discussão no SESC Belenzinho

De 13/08 a 22/08, o universo das mídias sociais será discutido em suas diversas perspectivas no bate-papo “Dicionário das mídias sociais: 40 verbetes” no SESC Belenzinho. As inscrições são gratuitas.

dicionario_das_midias_sociais_-_40_verbetes_pq

Com a apresentação de projetos, ferramentas online, vídeos, e livros especializados, a atividade consiste em uma série de conversas com público no espaço da Biblioteca da unidade, no térreo.

Com orientação de Vanessa Pereira e Francisco Arlindo Alves, durante duas semanas, todas as tardes (15h30 às 18h) nas terças e quintas, o público poderá discutir sobre algumas das principais tendências, fenômenos, teorias que envolvem o universo das mídias digitais, dando enfoque a significados e definições.

Mais informações no site do SESC
Endereço:
SESC Belenzinho
rua Padre Adelino, 1.000 – São Paulo – SP
Fone: 11 2076-9778

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Jornalismo-Drone: manifestações vistas do céu de Istambul

Um cidadão comum utilizando um Drone, veículo aéreo não-tripulado (VANT) controlado por rádio, tem ajudado a registrar manifestações populares na Turquia.

A aeronave equipada com uma câmera é controlada por Jenk K, usuário da plataforma de vídeo Vimeo , conhecido como “Sky Pilot” no Twitter. Numa iniciativa de jornalismo cidadão, Jenk produziu diversos vídeos documentando as manifestações de modo panorâmico, revelando cenas dramáticas e violentas do embate entre ativistas e policiais.

Uma das aeronaves foi abatida por balas de borracha atiradas pelas forças polícia, conforme o vídeo abaixo:

As manifestações na Turquia foram iniciadas como um ato contra a construção de um shopping no parque Gezi, em Istambul, e se ampliaram após uma ação brutal de policiais contra cidadãos, se transformando num movimento de contestação ao governo.

Referências:

Mashable
Watch: Incredible Drone Journalism Footage of Istanbul Protests por Alex Fitzpatrick

DIY drones
Man whose RC drone was shot down over Turkey protest returns to the skies por Matthew Schroyer

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Robô-água viva gigante

Pesquisadores americanos criam um robô-água-viva com 1,7 metros de diâmetro que se desloca de modo autônomo.

Denominado Cyro, o robô foi desenvolvido no Virginia Tech (Virginia Polytechnic Institute and State University) localizado em Blacksburg, localidade do estado norte-americano da Virgínia.  O protótipo surgiu a partir de um outro muito menor, do tamanho de uma mão humana.

Cyro possui uma estrutura de silicone e oito braços de metal, controlados por motores. As ondulações que produzem o deslocamento gastam menos energia do que os movimentos convencionais de natação, e o seu grande tamanho permite percorrer enormes distâncias. O protótipo possui uma bateria com duração de 4 horas, mas estão previstos aperfeiçoamentos para que não seja preciso efetuar recargas por meses.

Entre as aplicações previstas estão o monitoramento do oceano, operações de limpeza em catástrofes marítimas, e missões militares de reconhecimento.

Referências:

Inhabitat
Cryo: Virginia Tech Creates Giant 170-Pound Jellyfish Robot! por  Morgana Matus

Mashable
Huge Jellyfish Robot Is an Underwater Spy por Amanda Wills

WIRED UK
Man-sized robotic jellyfish mimics worlds’ largest por Duncan Geere

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Pesquisadores reunidos no Recôncavo (BA) constroem um robô sonoro sensível à luz

Um pequeno robô sonoro sensível à luz que combina movimento e som foi construído em abril na cidade de Cachoeiras por pesquisadores e artistas reunidos nos espaços da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.


A ação colaborativa foi realizada na oficina BEAM Cachoeiras como parte do projeto Diálogos ArteCiência da Universidade Federal de Goiás. A atividade foi coordenada pelos artistas e professores Guto Nóbrega e Malu Fragoso coordenadores do NANO – Núcleo de Arte e Novos Organismos (UFRJ) e Jarbas Jácome (UFRB).

O projeto utilizou o conceito de BEAM (Biology, Electronics, Aesthetic and Robotics). BEAM é um termo criado pelo físico e designer de robótica Mark W. Tilden, suas idéias representam um modelo de robótica baseado em recursos de eletrônica básica que utiliza principalmente simples circuitos analógicos, em vez de microprocessadores. Os projetos procuram desenvolver robôs com comportamentos inspirados em funções biológicas dos neurônios e sistemas nervosos (redes neurais).

Os circuitos utilizados para criação do robô foram inspirados no trabalho do artista Ralf Schreiber que tem produzido micro criaturas robóticas sonoras e cinéticas.

O projeto Diálogos ArteCiência foi um dos selecionados no edital Rede Nacional Funarte Artes Visuais 2012, e conforme divulgado busca “discutir a produção artística e cultural, principalmente a de base tecnológica, e articular pessoas ligadas a ela, originárias das cinco regiões brasileiras.

Referências:

NANO
BEAM Cachoeiras por Guto Nóbrega

FUNARTE
Diálogos ArteCiência chega ao Recôncavo (BA), nos dias 8 e 9 de abril.

BEAM – Wiki
What is BEAM Robotics?

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Um robô inseto faz o primeiro vôo controlado

Inspirado pela biologia de uma mosca, cientistas realizam o primeiro vôo controlado de um “robô-inseto”.

Com tamanho de metade de um clipe de papel, o robô tem o peso de um décimo de uma grama, e duas super finas asas que batem 120 vezes por segundo.

robobees

fonte: Robobees

O feito é o resultado de mais de uma década de trabalho liderado por pesquisadores do Harvard School of Engineering and Applied Sciences (SEAS) e do Wyss Institute for Biologically Inspired Engineering at Harvard. O projeto chamado Robobee reúne cientistas e engenheiros de várias disciplinas que elaboram pesquisas inspiradas na natureza. O vôo foi concretizado em função de recentes avanços concebidos pela equipe no desenvolvimento de sistemas de microfabricação e controle, produção de materiais e design.

Em função do tamanho, um dos obstáculos encontrados era a impossibilidade de uso de motores eletromagnéticos para movimentar as asas, como em robôs maiores. Neste sentido, foi construído um sistema baseado em flexão que funciona como “músculos”. Atuadores piezoelétricos que consistem em peças feitas com tiras de cerâmica, se expandem e se contraem quando um campo elétrico é aplicado.

Um sistema de controle comanda os movimentos de rotação, e determina comportamento de cada asa de modo independente. Pequenas alterações no fluxo de ar podem ter um efeito sobre a dinâmica de vôo, exigindo respostas muito rápidas para manter a estabilidade.

Um dos desafios do projeto é melhorar aspectos relacionados ao comportamento coordenado como uma colônia, e a fonte de energia. A alimentação de energia é realizada por um cabo muito fino e leve, pois ainda não existem soluções de armazenamento de energia em dispositivos pequenos adaptadas as dimensões do projeto. O desenvolvimento de células de combustível, sistemas de comunicação sem fio, e um cérebro computacionalmente eficiente irá permitir que o robô inseto voe de modo independente, autônomo e coordenado.

Entre as aplicações possíveis estão o auxílio em operações de busca e salvamento, exploração de ambientes perigosos, vigilância militar, mapeamento do clima e monitoramento de tráfego.

Referências:

Science
Controlled Flight of a Biologically Inspired, Insect-Scale Robot por Kevin Y. Ma*,†, Pakpong Chirarattananon†, Sawyer B. Fuller, Robert J. Wood

Harvard School of Engineering and Applied Sciences
INSPIRED by the biology of a bee and the insect’s hive behavior …

Ars Technica
Researchers build miniature flying robots, modeled on Drosophila por John Timmer

Harvard University Gazette
Robotic insects make first controlled flight por Caroline Perry

Colaboração: Francisco Arlindo Alves

Lançado documentário sobre computação criativa

Hello World! Processing” é um documentário, que acaba de ser lançado abordando as possibilidades criativas da ferramenta de código aberto Processing, utilizada por artistas, designers e pesquisadores em todo mundo.

Possibilitando a produção de uma infinidade de trabalhos artísticos, muitos deles já abordados neste blog, Processing é um ambiente e linguagem de programação criativa.

O documentário é recomendado a qualquer pessoa, independente do conhecimento de programação. Nos seus 40 minutos de duração, é discutido o papel das idéias e da criatividade como um jogo de processos, experimentações e algoritmos. São apresentadas entrevistas com importantes entusiastas e desenvolvedores, e comentados exemplos de trabalhos de destaque.

A direção é do artista Abelardo Gil-Fournier e do cineasta Raúl Alaejos, este último teve como trabalho anterior “Arduino: the documentary“, já comentado aqui anteriormente.

“Hello World! Processing” é a primeira parte da série de três documentários “Hello World!” produzidos pelo grupo Ultra-Lab. Os próximos serão sobre as tecnologias abertas “OpenFrameworks” e “Pure data“.

Referências:

Digitalarti
[documentary] “Hello World!” first episode about Processing is a must-watch

we-make-money-not-art
Hello World! A documentary series on open creative programming languages por Regine

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Drones acrobatas aprendem com intelig‭ência artificial

Uma equipe de pesquisadores suíços que trabalham no Flying Machine Arena, construiu máquinas robóticas voadoras capazes de executar malabarismos com bolas, e até jogar com pessoas.

http://www.youtube.com/watch?v=pp89tTDxXuI

Estes drones, veículos aéreos não-tripulados (VANTs), criados por Dario Brescianini, Markus Hehn, e Raffaello D’Andre, são quadrotores (helicópteros com quatro motores), com a tarefa de jogar e receber bolas ao mesmo tempo em que equilibram um pêndulo invertido.

A princípio foram criados modelos matemáticos para calcular aproximadamente as trajetórias ideais em tempo real, velocidades, ângulos e a influência do atrito e da flexibilidade dos pêndulos. Mas as várias manobras de captura elaboradas não funcionaram corretamente. Até que foi introduzido um algoritmo de aprendizagem, que adapta os parâmetros da trajetória de captura para eliminar erros sistemáticos. Desta forma foi possível corrigir os desvios dos modelos matemáticos criados, aperfeiçoando o movimento do drone para correta posição de captura.

A Flying Machine Arena (FMA) é um espaço dedicado ao portátil voo autónomo ligado ao ETH Zürich – Eidgenössische Technische Hochschule Zürich (Instituto Federal de Tecnologia da Suíça).

 

Refer‭ências:

The Huffington Post UK
Quadrocopter Pole Acrobatics: Robots Play Catch With Javelins por Michael Rundle

RoboHub
Throwing and catching an inverted pendulum – with quadrocopters por Markus Waibel

TechCrunch
Watch These Quadcopters Flip A Reverse Pendulum Into The Air And Catch It (No, Seriously, Watch) por John Biggs

Privacy SOS
Drones do amazing things like juggle, perform acrobatics

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Cubepix: Video Mapping com efeitos cinéticos

Cubepix é um projeto que utiliza recursos de uma projeção mapeada tendo como superfície objetos tridimensionais com adição de efeitos visuais cinéticos.

Composto por 64 caixas de papelão acopladas a servo-motores, 8 placas micro controladoras Arduino, um projetor e um sistema Kinect da Microsoft, Cubepix permite que as pessoas interajam e influenciem os movimentos das caixas e sua iluminação. Um software controla como e quando as caixas vão girar e sincroniza a projeção com o movimento.

O trabalho foi realizado pela equipe do Xavi’s Lab divisão de projetos especiais do Glassworks Barcelona, agência criativa com outras sedes em Londres e Amsterdam.

Referências:

CreateDigitalMotion
Cubepix, Kinetic Projection Mapping On A Moving Wall of Cubes [Arduino + OF + Kinect] por Peter Kirn

Popular Science
Cubepix: Or, What To Do With Extra Cardboard Boxes por Elbert Chu

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Utilização de robôs em atividades de logística interna hospitalar

Um modelo de robô denominado TUG, foi projetado para ajudar no trabalho de equipes médicas e de enfermagem, para que estes profissionais se concentrem em atividades mais específicas relacionadas ao atendimento dos pacientes.

Os robôs se deslocam por corredores transportando amostras de sangue, roupas, lixo, alimentos, resultados de exames, medicamentos e outras coisas, liberando o tempo de profissionais em vários setores do hospital, que antes tinham que se deslocar, ou esperar por entregas, muitas vezes demoradas.

As máquinas funcionam 24 horas, 7 dias por semana, para efetuar entregas regulares ou on-demand. Podem ser personalizadas conforme a estrutura de um edifício, armazenando em seu sistema informações sobre a planta do prédio em CAD para funcionar como um mapa.

Um sistema a base de laser ajuda no desvio de obstáculos e pessoas, e dispositivos de comunicação sem fio abrem portas e chamam elevadores. Caso o robô fique preso por não conseguir superar algum obstáculo, ele irá solicitar ajuda verbalmente para algum ser humano que esteja por perto.

Fabricados pela empresa americana Aethon, os robôs já são utilizados em hospitais no EUA. Há um projeto para sua adoção na Europa, através do Danish Technological Institute (DTI) e o hospital dinamarquês Sygehus Sønderjylland foram iniciados testes visando sua introdução em hospitais na Dinamarca.

Referências:

Danish Technological Institute
Robot is being tested at Danish hospital

The European Robotics Coordination Action
Logistics and automation with hospital robots

Singularity Hub
Incredible TUG Robots Automate Delivery in Hospitals por Aaron Saenz

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Peacock: robotic mapping

Peacock é uma instalação audiovisual que dialoga com a arte cinética.

O trabalho utiliza uma técnica denominada como “kinetic” ou “roboticmapping, que busca entre outras coisas uma sincronização entre os movimentos do motor e os efeitos visuais.

A obra foi criada pelo designer polonês Jakub Koźniewski, no âmbito do grupo interdisciplinar de estudos das novas mídias panGenerator, estabelecido na cidade de Chrzelice (Polônia). A proposta do grupo é atuar além das fronteiras de diferentes campos em cooperação com especialistas como engenheiros, designers de moda, músicos e programadores com o suporte de tecnologias livres como Arduino.

Referências:

WIRED
Showtime: PanGenerator, ‘Peacock’ por Bruce Sterling

Create Digital Motion
Beats Bits Atoms: Fish Play with Cameras, Paint and Pixels and Light Become Sculpture por Peter Kirn

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Drones criando espaços de liberdade em redes digitais nômades

Electronic Countermeasures é um projeto que busca criar espaços de liberdade utilizando um conjunto de drones interativos e autônomos que produzem uma infraestrutura para redes digitais nômades.


Foto: Claus Langer

Os drones, veículos aéreos não-tripulados (VANTs), são geralmente utilizados em estratégias militares. Silenciosos e com um custo inferior ao de um avião com piloto, os veículos não são usados apenas em bombardeios, mas em projetos em desenvolvimento pelo exército americano que visam criar conexões e redes. Se um governo inimigo bloquear o acesso à internet para impedir a articulação de protestos com o uso das redes sociais e mensagens de texto, os drones poderiam criar redes que funcionariam como alternativas de conexão para a população.

Corrompendo as lógicas militares, Electronic Countermeasures se inspira na mesma concepção de infra-estrutura de comunicação nômade, mas para a criação de uma rede temporária de compartilhamento de arquivos. Uma internet “pirata” por meio de conexões WIFI.

Foi construído um grupo de drones quadrotores (helicópteros com quatro motores) orientados por GPS, a partir de componentes direcionados inicialmente às funções de reconhecimento aéreo e vigilância policial. Os veículos se conectam dinamicamente uns aos outros, num comportamento denominado como de enxame, uma metáfora dos insetos sociais, em que há uma ênfase na descentralização do controle.

Quando as pessoas conectam seus laptops e celulares a rede criada temporariamente, as naves brilham utilizando cores vibrantes e seu o balé aéreo se torna mais dramático e expressivo.  Após um determinado intervalo de tempo conjunto se dispersa, podendo se reunir em outro lugar.

O projeto foi elaborado pelo estúdio anglo-indiano de design Superflux que contou com uma equipe formada pelos arquitetos e designers Oliviu Lugojan-Ghenciu e Liam Young, além de Eleanor Saitta que é hacker, designer, artista e escritora.

Electronic Countermeasures foi apresentado no festival de arte e luz GLOW, que aconteceu em 2011 na cidade holandesa de Eindhoven.

Referências:

Superflux
Exploring the design, interactions, and social possibilities of a new form of nomadic infrastructure.

P2P Foundation
Electronic Countermeasures – a demonstration project at Netherlands GLOW festival por Sepp Hasslberger

Tomorrows Thoughts Today
Under Tomorrows Sky. A new project for the Future City por Liam Young

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

LittleBits, simplificando a eletrônica

LittleBits é um sistema de módulos eletrônicos que se encaixam por meio de pequenos ímãs e permitem a elaboração de projetos criativos, sem que sejam necessários conhecimentos de eletrônica.

Seguindo uma lógica similar a existente em brinquedos modulares, como o Lego, o sistema é composto por um conjunto variado de peças com diferentes funcionalidades que se encaixam e se complementam.

Não é preciso efetuar soldas, montar fiações ou desenvolver programação. De modo intuitivo, podem ser elaboradas combinações de diferentes funções como luz, som, sensores, botões, pulsos, motores, entre outras.

As peças são disponibilizadas sobre licenças de Open Source Hardware, de forma semelhante ao software livre, ou seja, os usuários “podem ter a liberdade de estudar, modificar, redistribuir os resultados relacionados tanto a documentação como a concepção e fabricação”.

Entre os vários projetos realizados, foram construídos por exemplo, um abridor de porta da garagem, uma cafeteira, um par de sapatos piscantes, e um joystick.

Os módulos eletrônicos de LitteBits ganharam a seleção “Best of Toy Fair 2012”, e já foram apresentados na série de palestras TED. Seus kits também foram adquiridos pelo MoMA para compor sua coleção permanente.

Criado pela libanesa Ayah Bdeir, engenheira e artista que vive em Nova York, LittleBits tem como objetivo permitir que não especialistas possam entender como construir estruturas para a montagem de protótipos com componentes eletrônicos sem que seja preciso conhecimentos de engenharia. Ao mesmo tempo, o projeto incentiva a inovação e criatividade, buscando quebrar uma relação de “caixa preta” presente entre os indivíduos e a tecnologia.

Referências:

Open Hardware Summit
Breaking Open our Education

MoMA
Talk To Me

Adafruit Industries
TED Fellows in the Field: Ayah Bdeir’s blinking, buzzy building blocks

MIT – Technology Review
Freshly Funded LittleBits Makes Electronics Simple (Really!) por David Zax

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Archimedes: projeções, espelhos e robôs

Archimedes” é uma máquina com um conjunto de espelhos controlados por robôs, criada pelo produtor musical Alfred Darlington (que utiliza o codinome Daedelus) em parceria com os designers Emmanuel Biard e David Leonard.

Com os projetores luminosos a uma curta distância apontados para os espelhos, são projetados conteúdos de vídeos, com diferentes cores e formas na máquina, que refletem nas superfícies do ambiente, e em todos espaços ao seu redor com a utilização de gelo seco. Os espelhos podem realizar uma série de movimentos coordenados, e permitem um controle individual.

Archimedes interage com a música eletrônica nos concertos ao vivo realizados por Darlington, e foi apresentada no SONAR Barcelona 2012.

Referências:

Create Digital Motion
Archimedes, by Daedelus: Sheer Poetry of Robotic Moving Mirrors por Peter Kirn

Wired
Daedelus Builds Interactive Mirror Wall to Accompany Live Sets por Olivia Solon

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Grafite + Robótica

O artista americano Jeff Soto, tem como foco de seu trabalho a “Street Art” e utilização de técnicas de grafite. Soto, foi convidado a participar da experiência de produzir uma obra de grafite numa parede com a utilização de um carro equipado com braços robóticos, pulverizadores e pistolas que disparam tinta.
http://www.youtube.com/watch?v=msH2Xz8xM0E
A Chevolet, promoveu o evento, por ocasião do lançamento de sua nova versão do seu modelo de automóvel Sonic.

Referências:

Gizmo Watch
Paint spraying robot car creates an awesome street art por Dushyant Sood

Hypebeast
Jeff Soto & Debut Chevy tinta spray Car Sonic

Midiassociais.net
“Armas” de tinta e arte de rua para promover o Chevrolet Sonic

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Tele-present Water, de David Bowen

“Tele-present Water“, de David Bowen, é uma instalação que recolhe dados a respeito do movimento da água em um local remoto do oceano e reproduz os efeitos físicos causados por este movimento numa estrutura de uma grade mecânica maleável.

São utilizadas informações sobre ondas do mar fornecidas em tempo real pela The National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), agência federal americana que monitora condições atmosféricas e oceânicas. Por meio de uma bóia que flutua no meio do oceano, em uma região próxima das Ilhas Shumagin no Alaska, são recolhidos dados sobre a intensidade e frequência das ondas. Os resultados são transmitidos a uma longa distância, para que sejam representados na estrutura mecânica da instalação localizada no Museu Nacional em Wroclaw, na Polônia.

Para o funcionamento de “Tele-present Water”, Bowen usou uma placa microcontroladora Arduino e uma base de programação criada no Max/MSP, ambiente visual de programação para desenvolvimento de aplicativos interativos.

David Bowen é artista, educador, e atualmente ministra aulas na disciplina de “Sculpture and Physical Computing” no departamento de arte e design da Universidade de Minnesota.

Referências:

Adafruit Industries
Tele-Present Water: An Art Installation por johngineer

Netwoked_Performance
Tele-Present Water — by David Bowen por Jo-Anne Green

CreativeApplications.Net
Tele-Present Water [MaxMSP, Arduino]

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Handroid, mão robótica leve, macia e flexível

Handroid é uma mão robótica com cinco dedos que pode ser operada remotamente com a utilização de uma luva.

Diferente de modelos convencionais em que são instalados volumosos motores em cada um dos dedos, sua movimentação é realizada por cabos que imitam os músculos humanos conectados a motores no antebraço. Outra inovação importante está relacionada o uso de materiais desenvolvidos com técnicas de metalurgia aplicadas na fabricação de peças de aeronaves. Em razão destes aspectos, a mão robótica tem como uma de suas características a leveza, pesando apenas 740 gramas.

Elaborada pela empresa japonesa ITK, Handroid permite que cada dedo possa ser flexionado de modo semelhante à mão humana, o que abre a perspectiva de aplicações diversas, como sua utilização para execução de tarefas ligadas à manipulação de materiais perigosos, e o desenvolvimento de próteses controladas por ondas cerebrais para pessoas que sofreram amputações, sendo esta última, uma das tecnologias que estão sendo pesquisadas pela empresa.

O baixo custo de fabricação é uma das vantagens da Handroid em comparação a outros projetos semelhantes. A previsão é que cada unidade poderá ser comercializada pelo valor de 6.500 dólares por volta do ano de 2013.

Referências:

Singularity Hub
Why Am I Wearing This Glove? Oh, It Controls My Robot Hand, That’s All por Aaron Saenz

Techcrunch
Handroid: Japanese Company Shows Advanced Robot Hand por Serkan Toto

Colaborou: Francisco Arlindo Alves

Swarmanoid, enxame robótico

Swarmanoid é uma família de robôs que trabalham colaborativamente. Dinamicamente conectados uns com os outros, o conjunto de unidades com diferentes características formam um sistema robótico distribuído com o objetivo de realizar tarefas específicas.

Os robôs utilizam componentes relativamente baratos, chassis construídos em impressoras 3D, sensores e sistemas de comunicação e navegação. São cerca de 60 robôs autônomos divididos em três categorias: eye-bots, hand-bots, e foot-bots.

Os eye-bots são robôs quadrotores (helicóptero com quatro motores) equipados com câmeras, sensores de distância infravermelhos e sonares para poder efetuar um levantamento do terreno e voar de uma localização para outra. Os hand-bots são direcionados a manipular objetos e escalar superfícies, e possuem duas pinças e uma corda que se prende magneticamente ao teto. Os foot-bots são capacitados para a mobilidade no chão e detecção por meio de câmeras e sensores infravermelhos.

Um dos focos de seu desenvolvimento é oferecer a capacidade de auto-montagem e auto-organização de modo a combinar as características de cada robô para uma melhor adaptação aos ambientes. No vídeo acima os robôs executam a tarefa de recuperação de um livro numa prateleira.

O projeto é inspirado na metáfora dos insetos sociais, com ênfase na descentralização do controle, uso de informações locais, e comunicação entre múltiplas unidades gerando a emergência de um comportamento global de enxame.

Liderado pelo pesquisador Marco Dorigo, o projeto faz parte do Future and Emerging Technologies Open Scheme iniciativa apoiada pela European Commission. Swarmanoid conta com contribuição de pesquisadores de várias instituições européias: IRIDIA (Bélgica), IDSIA (Suíça), EPFL-LSRO (Suíça), EPFL-LIS (Suíca), e CNR-ISTC (Itália).

Referências:

Ponoko
Swarm Robots team up to conquer… a bookshelf por Guy Blashki

European Commission > CORDIS
SWARMANOID – Towards Humanoid Robotic Swarms

Hizook
Swarmanoids: Foot-Bots, Hand-Bots, and Eye-Bots Cooperate to Win “Best Video” at AAAI 2011 por Travis Deyle

Colaborou: Francisco Arlindo Alves